quarta-feira, 9 de março de 2011

Sobre risos e lágrimas

TEXTO DA NATHI

E se....

...esta noite eu chorar o que vem me doendo a dias?


COMENTÁRIO

Se você chorasse, Nathi, veria que lágrimas não são apenas gotas d'água, porque elas escorrem não só dos olhos, mas também de algum lugar lá dentro da alma... Chorar não é um gesto externo ou um reflexo condicionado. É algo que vem lá de dentro, de nossa parte imaterial, até que irrompe sob a forma de lágrimas, essas gotinhas d'água que, se não saíssem pelos olhos afora, seriam insignificantes.

Da mesma forma que o sorriso não é um gesto externo, o choro tampouco o é. 

Uma pessoa não sorri só com os lábios, mas também com as bochechas, a testa, o rosto inteiro. Quem sorri só com os lábios, não está sendo sincero. Um sorriso de verdade é dado com todo o rosto, porque até a testa se move ligeiramente. O verdadeiro sorriso começa dentro da alma, como um segredo, até que se manifeste externamente.

Com o choro acontece a mesma coisa. As lágrimas que você chorasse, ainda que copiosamente, seriam a menor parte de seu choro; seríam só aquelas gotinhas d'água... Mas algo lá dentro de você mudaria, ficaria mais leve... Os próximos minutos, as próximas horas teriam algo menos de angústia, algo menos de um não sei quê que antes você levava represado por detrás do rosto.

As causas de sua angústia não deixariam de existir. Chorar não resolveria seus dilemas, a não ser que, chorando, você conseguisse a piedade de quem a faz chorar... ironicamente.

Não sei extamente os motivos de sua angústia, da sua vontade de pôr pelos olhos o que lhe vai dentro da alma. Mas sua pergunta, em si, já é um resposta. Você não teria feito sua pergunta-post (a pergunta em si é todo o post e o título), se não sentisse necessidade de chorar ou não percebesse a possibilidade iminente do choro.

Ninguém pergunta se deve chorar de tristeza se está contente. Ninguém pergunta por comida se está saciado. Ninguém indaga por coisas que fogem de seu interesse.

E, se só esta noite você pergunta se deve chorar pelo que lhe vem doendo há dias, é porque essa dor já não é mesma de antes, do primeiro dia, de quando você ainda não havia se questionado se devia chorar...

Choramos, e isso é tudo. Quase tudo. A dor em si não está no choro, nem o choro pode pôr fim às razões das dores de alguém. O choro, mais que uma expressão de tristeza, é uma necessidade. Ninguém chora mais do que deve, ninguém chora superfluamente.

Cada lágrima é uma medida, e uma medida exata, do que vai dentro da alma e pede para sair.

Mas há maneiras de chorar. Alguns choram com lágrimas. Outros, com os olhos secos, só com a alma...

Para algumas dores, chorar é o bastante. Mas para aquelas realmente grandes, indizíveis, chorar não basta; e por algum motivo as lágrimas não vêm ao rosto. É o que diz este terceto:

No creáis vos que yo pueda sufrir más.
Pues, si sufriera poco, lloraría;
Pero llorar sería poco ahora.

Isto é:

Não creiais vós que eu possa sofrer mais.
Pois, se sofresse pouco, choraria;
Porém chorar seria pouco agora.

Chore, Nathi. Seria o gesto mais corriqueiro do mundo se todos os que choram admitissem que o fazem...

2 comentários:

Manu disse...

Ops!
Vim retribuir à visita.
Gostei daqui e das palavras...
=]

Chorar alivia. Sempre foi assim...

Nathi disse...

Aaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhh...

EU CHOREI

ainda choro às vezes...

Sorrio mais do que choro, talvez por distração, ou por teimosia, mas na maioria das vezes choro por não saber ou não ter o que fazer, por impotência, por fraqueza.

Obrigada por suas palavras, perdão a demora...tô sem acesso a internet em casa e na maioria dos horários tô ocupada...bom, vai ver que é por isso que à noite me dou conta do que estou realmente sentindo...a rotina anestesia, e isso é péssimo!

Belo blog, belas palavras!

Um beijo e bom final de semana!